sábado, 23 de agosto de 2008

O charme dos canalhas


É notório o envolvimento ambivalente e compulsivo de muitas mulheres com homens por elas considerados canalhas, cafajestes, safados ou outros adjetivos equivalentes, empregados para caracterizar homens poligâmicos que mentem para suas parceiras, fazem promessas que não pretendem cumprir, omitem o fato de já terem um relacionamento oficial, etc. Muitas são as justificativas dadas para este tipo de atração, que, devido aos resultados desastrosos, tende a ser vista como uma maldição: os canalhas seriam irresistivelmente mais charmosos que os demais homens. Inúmeras mulheres, porém, sofrem verdadeiramente com seguidos envolvimentos com homens que lhes partem os corações, indignando-se, generalizando a situação e estendendo sua mágoa a todos, culpados ou inocentes. Esta questão merece um mergulho mais demorado.

Primeira falácia: ser canalha torna um homem atraente.

Temos aqui um equívoco básico. Não é a canalhice que torna um homem atraente, mas ser atraente é o que possibilita a um homem ser canalha. Explico: o que torna um homem atraente são os seus indicadores de bons genes (beleza) e/ou o seu status no grupo, como sugerem os biólogos neo-darwinistas. Este status pode derivar de poder, riqueza, talento ou popularidade, bem como da combinação destes fatores. O fato de um homem ser disputado por muitas parceiras potenciais também aumenta este status, como explica a “teoria da fila”: se há duas festas, uma com fila grande e outra com fila pequena, muitas pessoas presumirão que a primeira é uma festa melhor.

Segunda falácia: todo homem é canalha.

Outro equívoco básico. Nem todo homem é canalha. Alguns não querem, outros não podem. Os que não querem, o fazem a partir de motivos românticos, religiosos, morais/éticos ou de outra natureza. Em suma, têm valores que os dissuadem da prática da canalhice. Os que querem, mas não podem, são limitados por uma educação repressora ou por não despertarem a atenção das mulheres, não sendo percebidos como atraentes.

Para fins didáticos, podemos dividir os homens heterossexuais em classes:

a) Não-atraente solitário: devido à baixa procura no “mercado”ou a uma renitente timidez, permanece desacompanhado, não tendo oportunidade para a canalhice, mesmo que a desejasse.

b) Não-atraente monogâmico: após ter encontrado uma parceira fixa, com ela permanece, mantendo-se fiel. Geralmente é uma mulher também desvalorizada socialmente, seja por não corresponder aos padrões estéticos vigentes (beleza e juventude), seja por pertencer a uma classe social economicamente ou culturalmente inferior à do parceiro. Faltam aqui também a oportunidade e/ou o interesse voltado à canalhice. Grande risco de se tornar um maridão de cuecas e camiseta suja, tomando cerveja em frente à TV.

c) Não-atraente poligâmico: um homem que não seja considerado atraente pela maioria das mulheres, dificilmente terá oportunidade de ser poligâmico, a menos que pague por isso diretamente (prostitutas) ou indiretamente (alpinistas sociais). Geralmente este tipo de conduta diminui o status do homem no grupo e faz com que seja considerado um canalha não-charmoso, sendo visto com desprezo e não com o tipo de relação amor/ódio que os charmosos despertam.

d) Atraente solitário: é um tipo raro. Pode não ter interesse em se relacionar (celibatário convicto) ou ter dificuldades em fazê-lo devido à timidez, vivências traumáticas em relacionamentos anteriores, hábitos solitários persistentes ou à desqualificação das parceiras amorosas em potencial (idealização da mulher). De qualquer forma, não tem como ser canalha.

e) Atraente monogâmico: embora inicialmente tenha muitas pretendentes em potencial, após assumir compromisso este homem fecha as portas a novas possibilidades amorosas e sexuais. Em outras palavras, não é canalha porque não quer ou não consegue por ser reprimido. De qualquer forma, assim que as pretendentes percebem que ele não está disponível, a fila diminui (ou desaparece). Aos olhos da própria parceira, pode ser que a festa pareça pior do que no primeiro momento, o que arrefece o interesse de algumas. Assim sendo, a conquista do parceiro é vista como fato consumado e deixa de ser diária. O risco dos dois se acomodarem é grande, então é importante que ideais românticos ou motivos religiosos, morais/éticos estejam presentes para que a relação sobreviva.

f) Atraente poligâmico: por ser considerado atraente, muitas parceiras se mostram disponíveis a qualquer tempo. Aproveitando as oportunidades que se lhe apresentam, este homem não se restringe a uma única parceira. Para manter esta conduta em uma sociedade que valoriza a monogamia, este homem geralmente precisa se manter na clandestinidade, mentindo e/ou omitindo. Os que assumem sua condição de poligâmicos e não mentem, ou viram solteirões conquistadores, ou mantêm relacionamentos diferenciados com a anuência da parceira (relacionamentos abertos, swingers). Os que mentem para as parceiras são os genuínos canalhas aos quais este ensaio se refere.

Resumo da ópera: os não-atraentes não conseguem ser canalhas charmosos, mesmo que queiram, e só interessam às que não têm melhores perspectivas. Dos atraentes, os solitários são vistos equivocadamente como homossexuais. Os monogâmicos não partem para novas conquistas ou dão espaço para serem conquistados, sendo raro uma mulher encontrar um deles em uma entressafra de relacionamentos. Já os poligâmicos que não mentem não são propriamente canalhas, mas ocorre o seguinte: os solteirões convictos, principalmente depois dos trinta e poucos, são considerados más apostas, uma vez que se entende que não gostam de assumir compromissos; poucas mulheres se interessam por swingers e homens em relacionamentos abertos declarados. Resultado: sobram os canalhas, aqueles comprometidos que mentem/omitem.

Conclusão: se você quer mesmo fugir dos canalhas, considere a possibilidade dos não muito atraentes, seja menos dura com os tímidos ou cruze os dedos para conhecer um atraente monogâmico entre relacionamentos (são bem poucos). Boa sorte!

20 comentários:

milu leite disse...

hahaha, querido
nem preciso dizer que me diverti um bocado por aqui! essa sua filosofia de botequim é tentadora. dá pra ficar horas no assunto, né mesmo?
já fisgou a leitora de cara.
bjos

Bel disse...

hahahahahahaa
Gostei da reflexão!

FlaM disse...

Hum! Já eu não sei se rio ou choro...
Meu consolo é não acreditar muito em tipologias e na total fixidez do caráter, muito disso é relacional, não? Charme e canalhice também se oonstroem nas relações...
Aos olhos de quem ama, bonito, charmoso e leal o canalha, feio ou tímido lhe parece! Hehe!
bj, Flávia. (valeu a divulgação, Milu!)

FlaM disse...

Ah! boas vindas à blogosfera!
E vê se tira essas letrinhas ("verificação de palavras"), Paulinho!

CLARICE disse...

Ah, se todos os canalhas fossem iguais a você...
que alegria viver!

beijo safado...

Paulo C. Nascimento disse...

Milu, Bel, Flávia e Clarice, muito obrigado! :-)
Flávia: eu também acho que muitas destas questões são relacionais e o lobo de umas é o bobo de outras, então não é exatamente um sistema tipológico rígido. Esta divisão é apenas um artifício para organizar as idéias. Ah, tirei as letrinhas chatas, só volto a colocar se começar a rolar spam.

Bjs e voltem sempre!

Bel disse...

HAHAHAHHAA

Paulo, eu achei que tinnha viajado muito no meu post, mas seu comentário foi fantástico! ADOUUUREI!

milu leite disse...

volto só pra dizer que o moço aqui do blog já criou um personagem que organiza as idéias sobre peitos de um jeito muito científico... uma inclinação, talvez, do escriba pelas classificações bizarras.
ou era pra levar isto tudo a sério?
bjo

Fabi disse...

De um realismo impresionante
Que venha o próximo post

Beijos!

Rafael disse...

Canalhas, a.k.a. tipo certo de cara errado... hahahah

Mulheres... e eu sofri tanto tempo tentando ser bonzinho!

Não virei canalha, mas bonzinho também não sou mais. Que categoria seria esta? Oo

Abração, filósofo da bodega!

Edy disse...

Essa tua conclusão ou conselho nos trazem diretamente pra realidade, nua e crua Heheheh e deixar a eterna idealização de ladoooo
Adorei
Parabens queridowww

Paulo César Nascimento disse...

Milu: logo você, uma escritora, confundindo o autor com o personagem?! Quem classifica é ele, eu faço outras coisas bem melhores. :P Nesse papo sobre canalhice, porém, melhor deixar os peitos de fora...

Fabi: já veio, pode ler acima. :-)

Rafael: você virou um canalha diet. :P

Edy: Obrigado, volte sempre!

Abraços

milu leite disse...

mas eu não confundi, não! já fui dizendo de cara que o autor do blog criou um personagem que classifica peitos. mas agora o blogueiro é que se entregou... porque copiou uma certa inclinação do personagem hahaha
quanto aos canalhas, acho melhor botar os peitos na história. não há canalha que não se dobre diante de bons peitos. e, às vezes, porque dentro de um peito, seja qual modelo for, bate um coração.
pergunto eu agora: no peito dos canalhas também bate?
bjim

Mariana Sardá disse...

É... porque parece que sempre gostamos da pessoa errada heim!? Complicadíssima essa tal de atração!!

Ótimo seu texto!

Beijosss
Mari.

Bruna Steffani disse...

Adorei... huhu Espero ter achado meu atraente monogamicooooo

Fernando Schmidt disse...

"Nesse papo sobre canalhice, porém, melhor deixar os peitos de fora..." (YODA, Mestre)

Anônimo disse...

sou desse tipo bem canalha, a mulherada faz fila,as vezes dou bolo nelas pq ñ dá tenho tempo pra todas... ñ me acho mt atraente mesmo pq minha namorada ñ me fala das minhas qualidades, mas em contra partida as outras me diz isso o tempo todo... na verdade eu ñ queria ser assim "canalha, cafajeste" meu apelido e PERIGOSO como todas as minhas alunas... mas e por vingança, minha namorada ñ me dá atençao q eu queria e entao pego geral, mas isso ñ me faz feliz, depois fica um enorme vazio...

Anônimo disse...

bom comeco

Anônimo disse...

Por lo general no comentar en blogs, pero tu me obligaron a, increíble trabajo .. hermosa ...

Anônimo disse...

Encontrei essa texto por um acaso em 13/04/2013, por hoje ter me tornado um canalha e procurar saber o que é ser um canalha. Seu texto me ajudou a saber que sou um novo tipo de canalha, o canalha boa praça, que é um cara que ajuda a realizar a fantasia de mulheres que querem um homem safado mas que dá muito carinho e que em troca só quer sexo de qualidade... Sou ou sou um boa praça ...rsrsrs Hoje vejo que as mulheres não querem ser santas mas que ainda querem fazer disso um jogo de sedução discreto... e estou aqui eu canalha assumido para ajudá-las ...Que venha a próxima ...abraço para os homens e beijo nas mulheres ...fui

 
design by suckmylolly.com