sexta-feira, 29 de agosto de 2008

Ter dinheiro custa caro


Não se deve iniciar um texto com um clichê, dizem os cânones da boa escrita. Agora que já fiz esta ressalva, o clichê pode vir sossegado, pois não está mais no começo do texto: “tudo na vida tem seu preço”!Ter dinheiro não foge a essa regra: há um custo pessoal embutido, assim como há um custo em não ter um tostão furado. Destinarei à pobreza outra postagem no devido tempo (o texto “Pecados Contemporâneos” ainda está no forno). Abordarei aqui os custos envolvidos em obter o dinheiro e em mantê-lo em uma sociedade capitalista selvagem ou neoliberal - que é um capitalismo selvagem vestido com camiseta da seleção e ouvindo mp3.

Nós, humanos - e alguns desumanos também-, temos necessidades de várias ordens. Muito já se escreveu sobre isso e a postagem não pretende ser quilométrica, então vou condensá-las em algumas categorias mais amplas: manter-nos vivos, renovar a espécie, obter reconhecimento e buscar um sentido para a vida e a morte. Cada produto ou serviço que atenda ou dê uma perspectiva de atender estas necessidades assume um valor de acordo com a importância a ele atribuído. Para facilitar as trocas de produtos e serviços, partiu-se para uma representação simbólica dos referidos valores na forma de dinheiro. Ao contrário do que pensam as crianças, não dá para um país ficar mais rico apenas emitindo mais moeda, pois o dinheiro deve ter um lastro em riquezas de fato. Também não se pode emitir um cheque quando se está sem dinheiro para cobri-lo, ao contrário do que pensam as crianças e os que não saem do cheque-especial. Como as riquezas do mundo são limitadas pelos recursos naturais do planeta e pela capacidade de trabalho dos homens, a quantidade de dinheiro que o mundo pode ter é limitada. Desta forma, o único modo de se obter dinheiro é tirando-o de alguém. Existem basicamente três formas de obter dinheiro: a) roubando/furtando; b) explorando o trabalho alheio; c) oferecendo um produto ou serviço em troca.

Roubar/furtar geralmente não é uma prática moralmente aceita nas sociedades. Assim sendo, quem pretende obter dinheiro a partir do furto, roubo, extorsão ou outro meio criminoso, terá que enfrentar riscos e custos. Bandidos pobres podem ser presos e ter todo o ônus do encarceramento: privação de liberdade, exposição à violência, desqualificação social. Também durante o curso de suas ações criminosas podem ser expostos à violência, seja ela exercida pelo Estado ou pela concorrência. Para buscar proteção, geralmente os bandidos pobres se aliam aos bandidos ricos no que se chama de crime organizado. Já os bandidos ricos, embora não possam mais ser algemados, enfrentam prisões e julgamentos mais rápidos, tendo como custo apenas a dignidade pessoal e a reputação perante a sociedade. Isto ocorre porque desde cedo aprendem que, para ser um bandido rico, é preciso repartir o butim entre outros bandidos ricos.

Empresários, que obtêm dinheiro da venda de produtos ou serviços, bem como da exploração do trabalho alheio, precisam superar a concorrência e a carga tributária, quando não o achaque por parte de bandidos ricos infiltrados no poder público. Vivem submetidos a pressões, precisando encontrar alternativas para manter a saúde. Nem sempre podem gozar férias ou desfrutar o final de semana, uma vez que os concorrentes também levam uma vida por vezes insana. Uma das formas de lidar com a pressão é repassá-la aos níveis hierárquicos mais baixos, o que ocorre em cascata: empresários estressam gerentes, que por sua vez estressam funcionários, que têm úlcera, chutam o cachorro, brigam com a esposa/esposo, filhos ou a torcida do time adversário. Profissionais autônomos, cujo dinheiro vem da venda de produtos ou serviços, passam pelos mesmos problemas dos empresários. Funcionários públicos, embora gozem de vantagens como estabilidade e planos assistenciais, não costumam ser bem remunerados (exceto por uma elite). Ainda assim, precisam enfrentar uma disputa ferrenha em concursos, o que significa muito tempo e esforço devotado ao estudo, bem como as conseqüentes privações. Já os políticos ficam a mercê daqueles que financiaram suas campanhas e são expostos ao assédio do crime organizado, que não costuma reagir muito bem aos que a ele não aderem ou toleram. Por fim, as celebridades: o custo da fama – bem como do dinheiro a ela associado - é a perda da privacidade.

Como se não bastasse, depois que você escolheu a forma de obter dinheiro que lhe foi possível e aceitável, vêm os inconvenientes: como a única forma de tê-lo é tirando dos outros, vai se formar uma fila de gente querendo o seu.

5 comentários:

Anônimo disse...

hahahahahahaha adorei!
Agora me calo pra sempre.
Beijos, te adoro!
Carol

Sandro Sell disse...

Daí, meu amigo. Muito legal seu blog - a começar pelo nome!Faltava isso em sua vida. Quanto ao dinheiro, bem ele serve para pôr os outros a seu dispor (mesmo quando eles não seus amigos, não lhe amam, nem acham você o cara). Dinheiro é pra comprar pessoas,seja a criancinha chinesa que neste momento está colando meu futuro tênis da Nike, seja aquela mocinha simpática e acenante de minissaia na esquina. Dinheiro compra a compreensão do psicólogo, o astúcia do advogado, os dedos do ginecologista e o pinto da granja. Dá trabalho tê-lo? Quando souber te digo.
Abraço, Sandro

Paulo César Nascimento disse...

Obrigado, Carol. Não se cale não... Bjs

Obrigado, Sandro! Diga sim, logo que souber! Abraço

milu leite disse...

paulinho, por que vc vive me fazendo rir com o canto da boca de coisas tão horripilantes?! vou te contar uma coisa: acho que ainda não virei um adutlo, porque eu até hj resisto em aceitar a idéia de que um país não pode fabricar quanto dinheiro quiser! não entendo essa maracatupimba de lastro. por que o mundo não fabrica uma porção de dinheiro e acaba com essa história de uma vez?
caracaaaa.
bjim

Bel disse...

Concordo com a Milu Leite, sou à favor da fabricação exagerada de dinheiro!! \o/

No mais, como diria os poetas populares Caju & Castanha..

"O Ladrão pé de chinelo está preso na cadeia, e o ladrão de colarinho está solto metendo a teia...." hehe.

 
design by suckmylolly.com