domingo, 30 de agosto de 2009

Entrevista - primeira parte

quarta-feira, 26 de agosto de 2009

Batom emagrecedor


Hoje, lendo as bobagens que o povo chama de notícias, deparei com a seguinte chamada: empresa americana cria batom que promete emagrecer. Pensei com meus botões: só se for cola em bastão.

domingo, 23 de agosto de 2009

Aniversário do blog


Dona Edwiges, uma velhinha que é médium e fofoqueira nas horas vagas, incorporou hoje a Marylin Monroe e cantou "Happy Birthday" pra mim ao telefone. Fiquei meio sem entender, até que percebi que era o aniversário do blog. Você acredita nisso? Eu também não. Um ano, quem diria?!

sábado, 22 de agosto de 2009

Reservados


"A reserva que se expanda!"
Disse o jovem indiozinho
Optando por ser panda

terça-feira, 18 de agosto de 2009

Nostalgia


Onde estão os chocolates de minha infância?
O tempo comeu!
Cadê o tempo?

sexta-feira, 14 de agosto de 2009

Andy Warhol no Senado Federal


No futuro, todos terão quinze minutos de execração pública.

terça-feira, 11 de agosto de 2009

Contra-indicações e efeitos colaterais


Se pessoas viessem com bula ou manual de instruções, provavelmente eu teria que arrumar outra forma de ganhar a vida, mas que tem dias que dá uma vontade de que no futuro seja assim, ah, isso dá. Pelo menos que venham com tarja preta...

sábado, 8 de agosto de 2009

Divagando sobre a felicidade


Às vezes pensamos - ou eu penso, sei lá se você também pensa isso - dos outros: "Nossa, mas logo fulano(a), que tinha tudo para ser feliz?!"


Não tinha... Felicidade é um estado subjetivo, não uma soma de coisas. "Ser feliz" e "estar feliz" só diferem na duração da felicidade auto-percebida. Ao fim e ao cabo, é só uma questão de estar verdadeiramente convencido disso.

terça-feira, 4 de agosto de 2009

A origem das espécies


O biólogo Richard Dawkins morre, chega ao Céu e lá encontra Deus, que o espera com um meio-sorriso irônico:
- E então, Richard, alguma coisa a perguntar para este delírio que vos fala?
- Sim. O Senhor realmente acha o ornitorrinco obra de um design inteligente?

domingo, 2 de agosto de 2009

O fim do humor


O humor sempre foi agressivo e preconceituoso. Ri-se da desgraça, dos defeitos ou da vergonha, sejam alheios ou próprios. Ninguém imagina que gaúchos, japoneses, judeus, turcos, homossexuais, portugueses, alentejanos, irlandeses, políticos, loiras, negros ou papagaios gostem de ver/ouvir seu grupo sendo alvo de chacota. Porém, em nome de se fazer graça, cada um ri dos outros e ri amarelo de si mesmo quando alvo de troça. A piada tanto pode ser forma de ataque quanto de resistência, no caso do humorismo político. Da metade do século passado para a frente, os movimentos sociais anti-discriminatórios conseguiram travar lutas importantes contra o preconceito em suas formas mais diretas e opressoras, gerando como efeito colateral o "politicamente correto", com todos os eufemismos que vieram a reboque na esperança de mudar a atitude a partir da mudança de nomenclatura. Do início da abertura política até recentemente, o humorismo tinha escapado da censura. Porém, a denúncia de racismo que sofreu Danilo Gentili em função de uma tuitada sobre o King Kong quase inaugurou uma nova era. Dessa vez bateu na trave, mas pode ser que o fim do humor se aproxime. Duvido que se possa fazer humor sem que alguém ou algum grupo seja ridicularizado, restando apenas os papagaios e as pessoas que a história tornou execráveis. No futuro, as piadas serão assim:

- "Hitler, Torquemada e Átila, o huno, vinham caminhando pelo deserto, quando tropeçaram em uma lâmpada mágica..."
- "Como se colocam cinco machistas dentro de um fusca?"
- "Quantos homofóbicos são necessários para trocar uma lâmpada?"
- "Um papagaio e um pedófilo estavam em um avião, quando a aeromoça..."

Para aproveitar enquanto não se é preso por contar anedotas, vou relembrar um clássico que li em algum volume das "Anedotas do Pasquim", provavelmente compilado pelo finado Fausto Wolff.

Um sujeito entra em um bar, senta-se ao balcão e puxa assunto com um desconhecido:
- Você viu a última bobagem que o presidente disse?
É interrompido pelo dono do estabelecimento, que diz:
- Desculpe, senhor, mas não permito que se fale de política aqui no bar.
O sujeito fica meio ressabiado, mas puxa outro assunto:
- E esse novo Papa, viram que idéias mais retrógradas que ele tem sobre...
- Senhor, também não é permitido discutir religião aqui meu estabelecimento.
- E o Corinthians, o que vocês...
- Futebol também não.
- E de sexo? Posso falar de sexo aqui no bar?
- Ah, sim. De sexo pode.
- Então vá tomar no seu %#.

 
design by suckmylolly.com