segunda-feira, 24 de maio de 2010

Your time is... LOST

Assisti a uns dez episódios da série e já senti um certo cheiro de enganação no ar. Depois disso, nunca mais assisti e apenas li o que outros escreveram a respeito. Não sei nem o nome de mais de cinco personagens. Tirando o fato de que as telespectadoras se dividem entre fãs do Sayid e do Sawyer, que todas acham o Jack sem sal, apesar de bonito - coisas que aprendi com a mulherada nas instrutivas conversas de botequim sobre o assunto -, o restante das informações geravam confusão e me davam a pista de que se tinha alguém perdido, eram os roteiristas. Lendo um comentário de um dos criadores da série às vésperas de seu esperado desfecho, percebi onde estava o engodo. Eles não tinham idéia de quanto tempo a série teria audiência e renovação de contrato, portanto tinham um início, um esboço de final, algumas charadas para colocar no ar e o resto era esforço para encher lingüiça. Isso é o retrato do que o entretenimento popular fez com os escritores. O público manda, o roteirista obedece e as obras viram uma espécie de monstro de Frankenstein, no mau sentido do termo. Essa é a nossa época: você não ganha espaço porque tem algo a dizer, mas precisa dizer algo porque o espaço já lhe foi alugado. Porém,  o que se pode esperar de uma indústria onde os reality shows têm direção e as novelas são reescritas conforme o que estiver dando audiência? É por isso que eu não assisto. Gosto de passatempos, não de perca-tempos. A diferença? Pontas soltas. Muitas.

5 comentários:

Chico disse...

Faltou assistir mais do que dez episódios do programa para criticá-lo depois. Quem sabe você faz isso antes de escrever um texto sobre uma série que teve mais de cem episódios?

Paulo César Nascimento disse...

Chico: não é preciso tomar um prato inteiro de sopa pra concluir que erraram no sal.

Alline disse...

Eu vi alguns episódios, achei confuso demais, não gostei, não vi mais.
Só espero pelo fim de 24 Horas, e depois a volta de True Blood. ;)

Beeeeeeijo

Tati Pastorello disse...

Concordo com sua avaliação, não apenas de Lost, mas de todos os perca-tempos que temos na tv.
Tanta música para ouvir... tanto livro para ler...
Beijos.

Paulo César Nascimento disse...

Alline: esses eu não acompanhei nem um pouquinho... bjs

Tati: até tem coisas aproveitáveis na TV, mas tem que zapear um bocado. Bjs

 
design by suckmylolly.com